Coronavírus: Sintomas, Tratamento E Prevenção

Os coronavírus são uma família de vírus que foram descobertos na década de 1960, mas cuja origem ainda é desconhecida. Seus diferentes tipos causam doenças diferentes, de um resfriado a uma síndrome respiratória grave (uma forma grave de pneumonia).

Muitos dos coronavírus não são perigosos e podem ser tratados com eficácia. De fato, a maioria das pessoas sofre de coronavírus em algum momento da vida, geralmente durante a infância. Embora sejam mais frequentes no outono ou no inverno, podem ser adquiridos em qualquer época do ano.

O coronavírus deve seu nome à aparência que apresenta, pois é muito semelhante a uma coroa ou uma auréola. É um tipo de vírus presente em humanos e animais.

Nos últimos anos, foram descritos três grandes surtos epidêmicos causados ​​por coronavírus:

SARS-CoV: A síndrome respiratória aguda e grave também conhecida como SARS e SARS começou em novembro de 2002 na China, afetou mais de 8.000 pessoas em 37 países e causou mais de 700 mortes. A mortalidade da SARS-Cov foi estimada em aproximadamente 10%.

M ERS-CoV: O coronavírus que causa a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) foi detectado pela primeira vez em 2012 na Arábia Saudita. Mais de 2.400 casos de infecção foram relatados em outubro de 2019 em diferentes países, com mais de 800 mortes. A letalidade é, portanto, 35%.

Leia Também  Conheça 6 dicas para se livrar dos gases na barriga e acabar com o estômago inchado

COVID-19: No final de dezembro de 2019, foram relatados os primeiros casos de um novo coronavírus na cidade de Wuhan (China).

Já existem pessoas infectadas em vários países, mas especialistas insistem que não há motivos para alarme. O país mais afetado da Europa é a Itália. Embora casos positivos tenham sido confirmados na Espanha (que contraiu o vírus em outros países).

Causas

Os coronavírus são transmitidos de maneira limitada entre os seres humanos, mas até o momento a origem desses vírus é desconhecida. De qualquer forma, sabe-se que certos animais, como morcegos, atuam como reservatórios.

Como em outros vírus que causam pneumonia, quando transmitidos em humanos, a infecção geralmente é causada pela via respiratória, através das gotículas respiratórias que as pessoas produzem quando tossem, espirram ou falam.

Tudo parece indicar que o novo coronavírus, tem origem animal. De fato, os primeiros casos foram relacionados a um mercado de animais vivos na cidade de Wuhan, na China.

Acredita-se que o coronavírus SARS tenha se originado em morcegos, pulando posteriormente para outras espécies de pequenos mamíferos, como civeta, e finalmente para humanos.

Sintoma

Em geral, os principais sintomas das infecções por coronavírus são geralmente:

Secreção e coriza.
Tosse.
Fadiga.
Dor de garganta e dor de cabeça.
Febre.
Calafrios e mal-estar.
Falta de ar
No espectro clínico desse tipo de infecção varia da ausência de sintomas aos sintomas respiratórios leves ou agudos. Essa tipologia geralmente envolve tosse, febre e dificuldades respiratórias.

Leia Também  Como remover uma dor de cabeça sem medicação em três minutos

Assim como no vírus influenza, os sintomas mais graves (e a maior mortalidade) são registrados em idosos e naqueles com imunossupressão ou com doenças crônicas, como diabetes, alguns tipos de câncer ou doenças pulmonares crônicas. Em casos extremos, pode causar insuficiência respiratória.

Prevenção

Até o momento, nenhuma vacina ou tratamento específico está disponível para combater a infecção por coronavírus.

Manter a higiene básica é a maneira mais eficaz de evitar a contração desse vírus em locais com maior risco de transmissão, principalmente em áreas do planeta onde os casos foram registrados. É conveniente lavar as mãos com frequência e evitar o contato com pessoas já infectadas, principalmente protegendo os olhos, nariz e boca. Aqueles que podem estar em contato com as partes potencialmente afetadas são aconselhados a usar máscaras e lenços para cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar.

Essas precauções devem ser seguidas especialmente por aqueles que sofrem de diabetes, insuficiência renal, pneumopatia crônica ou imunossupressão, pois correm maior risco de doenças graves em caso de infecção por coronavírus.

Diagnóstico

Para determinar se o desconforto sofrido por um paciente provém de um resfriado simples ou de um coronavírus, o médico pode realizar um exame de sangue.

Leia Também  Cheirar Ritalina: Sinais e Sintomas de Dependência

Nos casos de suspeita de coronavírus, geralmente é realizada uma tomografia do tórax para determinar os sintomas de pneumonia, além de outros testes de coagulação sanguínea, análise bioquímica e hemograma. Testes de anticorpos e isolamento do vírus também são realizados.

Da mesma forma, para conter a transmissão, é feita uma avaliação para as pessoas que apresentam os sintomas e que podem estar propensas a contrair o vírus.

O controle de temperatura (com câmeras térmicas e termômetros digitais) de pessoas que chegam de um aeroporto a partir de áreas afetadas tem sido uma das medidas adotadas para detectar possíveis casos de COVID-19, como foi feito nas sessões anteriores. Também são feitos questionários aos viajantes; Em caso de suspeita, eles são submetidos a avaliação e, quando apropriado, transferidos para os centros de saúde.

Tratamentos

Não há vacina contra o coronavírus humano que causa resfriado, mas casos mais leves podem ser superados seguindo os mesmos passos que um resfriado comum. Isso não requer intervenção médica e simplesmente lave as mãos com frequência, descanse e beba bastante líquido; os sintomas desaparecerão em alguns dias. Analgésicos como ibuprofeno ou paracetamol também podem ser tomados para aliviar dores de garganta ou febre.

Curta e compartilhe
error: Content is protected !!